Inês da Saúde parecia que não iria sair mais da Polícia Federal. Buscando recursos para o esporte motor e para o Foz do Iguaçu. Pista de Arrancada devera ter inicio este semestre em Foz. Abraji aciona Programa Tim Lopes de Proteção a Jornalistas para investigar assassinato de radialista em Goiás. Isenção de IR por doença grave: Saiba quem tem direito. Deputado Hussein Bagri, começa a aparecer em Foz como se fosse filho da terrinha em ano politico.

Depenando a Coruja

depenandoacoruja@gmail.com                                                              

por Oliveirinha Jornalista – MTE 08182/PR

 

 

 

 

Inês da Saúde parecia que não iria sair mais da Polícia Federal

Teve gente assustada na cidade com a demora da Dna Inês pela demora em seu depoimento na Polícia Federal. 

Já havia uns e outros com pé no Paraguai visto que teria entrado as 14hs e as 19hs ainda estaria no Departamento da Federal sendo ouvida. 

Sempre disse que vai faltar cadeia nesta cidade, mas não acreditam.

 

 

 

Respondendo ao amigo Boita, Cazuza não é amigo é como irmão.

 

Conheço Jose dos Reis CAZUZAsim, isto desde a década de 1.980, sendo ele amigo de infância de meu irmão mais velho. 

Se ele arrumou problema com a Justiça a ela ele deve satisfação, pra eu nada e certifico que continua meu amigo de décadas e esta em minhas orações, onde o tenho com muita estima e apreço.

 

PS: Vale lembrar que se o Gigolô Denunciado tem problemas com ele pelo pau que levou, é um problema deles. Alias por esta surra fiquei ainda mais seu .

 

 

 

 

 

Buscando recursos para o esporte motor e para o Foz do Iguaçu

Na quarta (31/1), este editor esteve em Curitiba reunido com o presidente da Sanepar Mounir Chaowiche, deputado Delegado Rubens Recalcatti, o presidente do Foz do Iguaçu Futebol Arif Osmann e seu vice-presidente Paulo Evangelista.

Arif Osmann solicitou os préstimos do jornalista Oliveirinha, que intercedendo junto ao deputado Delegado Rubens Recalcatti proporcionou encontro com o presidente da Sanepar Mounir, para apresentação de pedido de apoio da companhia de saneamento aos projetos de base do Foz.

Ainda melhor que o esperado, o senhor Arif Osmann deixou a reunião de posse de documento da Sanepar assinado por seu presidente, para que possa agora dar os demais encaminhamentos e assim receber recursos.

Nosso obrigado especial ao deputado Recalcatti em nome de Foz do Iguaçu;

 

 

 

 

 

Pista de Arrancada devera ter inicio este semestre em Foz

No Autódromo Internacional Zilmar Beux de Cascavel na tarde do sábado (3/2), os jornalistas Oliveirinha (PSB) e Roberto Mafra (PDT), apresentaram o pré-projeto da Pista de Arrancada de Foz – VELOFOZ, ao presidente da Federação Paranaense de Automobilismo Rubens Gatti.

O presidente da Federação apreciou e deu aprovação ao projeto como também entregou a este editor oficio da autoridade suprema do automobilismo no Paraná a ser encaminhado ao prefeito Chico Brasileiro e ao DGB da Itaipu Luiz Fernando Vianna, com o apoio da FPrA.

Continuamos firme e forte em prol do esporte motor de Foz, região e tríplice fronteira;

 

 

 

 

Deputado Hussein Bagri, começa a aparecer em Foz como se fosse filho da terrinha em ano politico.

O deputado Bagri, que vem prometer o viaduto de Foz, a poucos diz foi destaque no G1-RPC/Tv por ter sido condenado apos investigação do GAECO por Crime de Improbidade Administrativa.

https://g1.globo.com/…/ex-prefeito-de-uniao-da-vitoria-o-de…

Foz do Iguaçu torna-se a verdadeira CURVA de rio, onde se enrosca as TRANQUEIRAS.

Não vai demorar pra virar manchete como outro politico preso. Escrevam…..

 

 

.

 

                                                              “Valei-me Santo Expedito”!

 

 

 

 

Abraji aciona Programa Tim Lopes de Proteção a Jornalistas para investigar assassinato de radialista em Goiás

 

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) anunciou em 24 de janeiro que membros da entidade vão investigar o assassinato do radialista Jefferson Pureza Lopes, morto a tiros no dia 17 de janeiro na cidade de Edealina, no Estado de Goiás.

Esta será a primeira ação do Programa Tim Lopes de Proteção a Jornalistas, lançado em setembro de 2016 com o objetivo de investigar assassinatos, tentativas de assassinato e sequestros de profissionais da imprensa e dar continuidade às reportagens interrompidas pelos autores dos crimes.

“Estamos coletando informações e eu acredito que uma visita ao local poderá nos ofeŕecer mais subsídios para outras visitas, caso fique claro que o homicídio está ligado a sua atividade como radialista”, disse Angelina Nunes, coordenadora do programa, ao Centro Knight.

Segundo anunciou a Abraji, Nunes e Rafael Oliveira, membro da equipe da entidade, chegarão no dia 28 de janeiro a Edealina, município com 3.700 habitantes na região Centro-Oeste do Brasil, e darão início à investigação do Programa Tim Lopes sobre o caso.

Pureza Lopes foi assassinado com três tiros na cabeça, dentro de sua casa, na noite do dia 17. Ele conduzia o programa “A Voz do Povo”, na rádio Beira Rio FM, no qual denunciava supostas irregularidades da administração pública e criticava autoridades municipais e regionais.

Ele vinha recebendo ameaças há pelo menos dois anos por seu trabalho, segundo alguns amigos e colegas disseram à imprensa após o assassinato. Dois incêndios haviam atingido a rádio em que trabalhava nos últimos dois anos, e o mais recente, em novembro de 2017, havia destruído integralmente os equipamentos e a estrutura física do local, que estava sendo reconstruído.

Os jornalistas que estão a caminho de Edealina realizaram uma pré-apuração sobre o caso, que incluiu uma verificação das condições de risco a que estariam submetidos, disse Daniel Bramatti, presidente da Abraji, ao Centro Knight. “A principal precaução é a notificação das autoridades locais, a quem caberá zelar pela segurança dos profissionais.”

A Abraji enviou um ofício informando o governador de Goiás, Marconi Perillo, e o secretário de Segurança Pública do Estado, Ricardo Balestreri, sobre a viagem dos dois jornalistas para investigar o assassinato. No documento, a entidade pede “especial atenção à segurança da equipe de reportagem” e reforça “o apelo para que a Secretaria de Segurança Pública priorize esta investigação, posto se tratar de um possível atentado à liberdade de imprensa e expressão”.

Bramatti afirmou que o governador e o secretário ainda não se manifestaram sobre a ida dos jornalistas a Edealina. Já o escritório local da Organização dos Advogados do Brasil (OAB) “se manifestou solidário ao nosso programa e se colocou à disposição”, disse Nunes.

Caso a investigação da entidade conclua que o assassinato de Pureza Lopes está ligado a seu trabalho como jornalista, uma equipe de repórteres de vários veículos do país viajará a Edealina para realizar reportagens sobre os temas que o radialista abordava em seu programa. “Alguns veículos e profissionais já foram contatados”, disse Bramatti, ressaltando que “a composição da rede só será anunciada se a apuração in loco demonstrar que sua formação é de fato necessária.”

A iniciativa brasileira, financiada pela Open Society Foundations, foi idealizada pelo jornalista Marcelo Beraba, primeiro presidente da Abraji. Ele se inspirou no Projeto Arizona, da organização norte-americana Investigative Reporters and Editors (IRE). Em resposta à explosão de um carro bomba em 1976 que matou o repórter Don Bolles em Phoenix, os colegas do jornalista viajaram para Phoenix para terminar seu trabalho de investigação.

O nome do projeto é uma homenagem ao repórter investigativo da TV Globo, Tim Lopes, que foi brutalmente assassinado em 2002 enquanto trabalhava em uma reportagem sobre bailes funk organizados por traficantes em uma favela no Rio de Janeiro. Sua morte, que fez 15 anos em junho passado, marcou a imprensa brasileira e motivou a criação da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo.

“O que esperamos é contribuir para o fim da impunidade nos crimes contra jornalistas e comunicadores, de forma a incentivar a redução dessas ocorrências”, disse o presidente da Abraji. “Temos clareza de que este é apenas um passo em um longo caminho.”

PS: Ao que vemos o chumbo esta comendo solto, em especial com quem fala demais. Uhaaaa!!!…

 

 

 

 

Isenção de IR por doença grave: Saiba quem tem direito

A Lei 7713/88, em seu artigo XIV, elenca algumas doenças graves e concede, aos seus portadores, isenção de imposto de renda nos proventos de aposentadoria e pensão.

I – Quais doenças geram isenção de IR?

  1. portadores de moléstia profissional;
  2. tuberculose ativa;
  3. alienação mental;
  4. esclerose múltipla;
  5. neoplasia maligna (câncer);
  6. cegueira;
  7. hanseníase;
  8. paralisia irreversível e incapacitante;
  9. cardiopatia grave;
  10. doença de Parkinson;
  11. espondiloartrose anquilosante;
  12. nefropatia grave;
  13. hepatopatia grave;
  14. estados avançados da doença de Paget (osteíte deformante);
  15. contaminação por radiação;
  16. síndrome da imunodeficiência adquirida, com base em conclusão da medicina especializada, mesmo que a doença tenha sido contraída depois da aposentadoria ou reforma;

II – Sobre qual valor incide esse direito?

A isenção é referente ao valor recebido a título de aposentadoria ou pensão. Logo, não há isenção do imposto de renda sobre as demais rendas do contribuinte.

III – Somente as doenças elencadas geram o direito de isenção?

Não! Existem algumas doenças que são consideradas implícitas nesse rol. Por exemplo, o Alzheimer e outras formas de demência, desde que causadoras de alienação mental. A cardiopatia, nefropatia e hepatopatia graves também podem ser ampliadas para um rol mais elevado de doenças cardíacas, renais ou de fígado. Por exemplo: Cirrose, hepatite C, etc.

Existem decisões judiciais neste sentido. Todavia, o STJ firmou seu entendimento no sentido de que esse rol é taxativo.

Caso a pessoa possua uma doença não elencada no rol e for indeferida a isenção administrativamente, é apropriado a busca de um advogado especializado.

Isso porque o rol elenca algumas possibilidades que estão longe de abraçar todas as doenças graves que poderiam assegurar a isenção de IR. Dessa forma, o rol limita um direito do contribuinte, podendo algumas doenças serem entendidas de forma mais ampla para abranger outros casos.

IV – Como fazer o requerimento?

O requerimento pode ser feito administrativamente no posto da Receita Federal mais próximo da sua residência. Devem ser apresentados alguns documentos, exames e laudos para a análise do pedido.

A Receita Federal tem um prazo de 30 dias para responder. Cabe, inclusive, a devolução de valores retroativos ao requerimento.

 

 

 

 

Espaço de leitor:

 

Meu abraço especial vai para meu amigo Investigador da Policia Civil, qual esta em Curitiba FIORAVANTE PERRUCHON DOS SANTOS, sempre antenado neste site.

 

 

 

 

 

Nosso portal de noticias esportivas de Foz e região.

 

ACESSE o site: http://www.jornaloautodromo.com.br/

 

 

 

 

                                                     A Coruja vai ser depenada em Foz.

Deixe uma resposta